Centro de Investigações Diagnósticas

CID NEWS

HIPERTENSÃO ARTERIAL

A hipertensão arterial é uma doença cuja prevalência vem aumentando na população brasileira, caracterizada pela elevação na pressão que o sangue exerce sobre a parede das artérias. Essa pressão aumentada de forma crônica pode levar a danos irreversíveis e predispor ao aparecimento de complicações como a doença coronariana, acidente vascular cerebral, insuficiência renal crônica e até mesmo cegueira.

É em geral uma doença silenciosa. Ou seja, as pessoas portadoras de hipertensão arterial muitas vezes não apresentam sintomas, muito embora a doença esteja lá já causando danos.

Como me tornei hipertenso?

Para a maioria dos adultos, não há uma causa identificável de hipertensão, fenômeno conhecido como hipertensão primária. Embora ainda não exista uma causa estabelecida, sabe-se que esse tipo de hipertensão está associada a fatores de risco como a obesidade, ingestão de sal, tabagismo, sedentarismo e estresse. Existe também um grande componente genético no desenvolvimento da hipertensão primária.

Já a hipertensão secundária é causada por uma outra doença que tem como consequência elevação da pressão arterial. As principais condições médicas responsáveis pela hipertensão secundária são as doenças renais, tumores de glândulas adrenais, defeitos na formação de algumas artérias e o uso de algumas medicações, como anticoncepcionais, remédios para resfriado e de drogas ilícitas como a cocaína.

O que pode acontecer se eu não tratar a hipertensão?

A elevação da pressão arterial pode provocar algumas alterações na parede das artérias o que predispõe ao desenvolvimento de algumas complicações como o infarto agudo do miocárdio, os acidentes vasculares encefálicos isquêmicos ou hemorrágicos, o desenvolvimento de aneurismas, insuficiência cardíaca, insuficiência renal crônica com necessidade de diálise e cegueira devido às alterações vasculares na retina.

Valores de pressão arterial são considerados anormais quando acima de 120 x 80 mm Hg. Todavia, apenas com uma medida isolada não é possível o diagnóstico de hipertensão. São necessárias pelo menos duas medidas alteradas em momentos distintos para que seja feito o diagnóstico.

Como tratar?

O tratamento da hipertensão arterial é bem variável e depende principalmente do estado de saúde de cada paciente. Existem diversas classes de medicações anti-hipertensivas e seu médico prescreverá àquela que for mais adequada. Em algumas situações torna-se necessário o emprego de mais de uma classe de medicações para um adequado controle dos níveis tensionais.

Independentemente das medicações, já foi comprovado que as mudanças de hábitos de vida, como a perda de peso, a adoção de uma dieta mais saudável, a realização de atividades físicas diárias e cessar de fumar são atitudes que auxiliam no controle da pressão arterial, reduzindo as doses necessárias de medicações e diminuindo os riscos de complicações futuras relacionadas à hipertensão arterial.

Portanto, se você é portador de hipertensão arterial, não deixe de tomar rigorosamente sua medicação e visite regularmente seu médico para eventuais ajustes de medicação. Evite que essa doença silenciosa, porém controlável complique!